Notícias

11 de junho | 21:14

Americanos compram US$ 41 Bi em diamantes em 2016

Apesar de os americanos terem atingindo recorde na compra de diamantes no ano passado, as melhores notícias vêm do Brasil. Animados com recente abertura da mina da Lipari e seguidas descobertas da  Fivestar, o Brasil tem atraído enorme volume de produtores e compradores de pedras que diariamente buscam oportunidades de investimento e mercado.

Esperamos que o governo perceba este genuíno interesse e momento importante do setor e apoie este movimento com formulação de uma política de incentivo. A grande dúvida dos investidores diz respeito a qual royalty será aplicado ao setor.

Países como Rússia, Botswana, África do Sul, Canadá e Angola venderam, respectivamente, US$ 4 bilhões, US$ 3 bilhões, US$ 1,7 bilhão, US$ 1,7 bilhão e US$ 1,2 bilhão em diamantes, além de gerarem milhares e empregos.

A demanda nos EUA, que agora representa mais de metade do consumo mundial de diamantes, aumentou 4,4%, atingindo um recorde de US$ 41 bilhões no ano passado, disse a De Beers, em um relatório na sexta-feira (2). Isso ajudou a compensar as contrações na China e na Índia, onde a empresa intensificará o marketing para reavivar o crescimento. A demanda global aumentou 0,3% para US$ 80 bilhões.

Os EUA têm sido um ponto brilhante na indústria de diamantes, expandindo sua participação de mercado nos últimos seis anos, já que o crescimento salarial, a criação de emprego e uma forte bolsa permitiram aumentar o consumo, de acordo com De Beers. Isso contrastava com as compras no mercado de crescimento chave na Índia, onde uma greve de joalheiros e a campanha de desmonetização levaram a uma contração de 13%. A demanda caiu 10% na região do Golfo, uma vez que os preços do petróleo permaneceram deprimidos.

Enquanto os EUA impulsionaram o crescimento global em 2016, está aumentando a demanda de mercados emergentes que está por trás dos últimos cinco anos sendo o mais forte registrado", disse Bruce Cleaver, diretor executivo da De Beers. "Apesar de alguns mercados enfrentarem condições desafiadoras no ano passado, vemos essa tendência continuar, com melhorias na demanda da China e da Índia, em particular, emergentes em 2017."

A De Beers espera um melhor desempenho em seus principais mercados asiáticos em 2017, o que deverá levar ao crescimento "marginal" da demanda global este ano.

"Sentimento nos países produtores de petróleo foi fraco devido ao impacto" dos preços mais baixos do petróleo, disse Stephen Lussier, CEO da De Beers Forevermark, a marca de diamantes da empresa, na sexta-feira, em uma entrevista na sede da Bloomberg em Nova York. "A demanda será subjugada até vermos a melhoria econômica geral".

Nos EUA, houve sinais de que as políticas pró-negócio do presidente Donald Trump estão impedindo de aumentar o consumo de bens de luxo. Na semana passada, a Tiffany & Co. e a Signet Jewelers Ltd. divulgaram vendas decepcionantes e há preocupações sobre a quantidade de diamantes em bruto vendidos pelos principais produtores no primeiro trimestre. No entanto, De Beers continua a ser otimista, sem se preocupar com o excesso de oferta.

"A demanda por diamantes em bruto continua forte", disse Lussier. "Não há planos para qualquer redução nos objetivos de produção para este ano. Os preços polidos foram estáveis ​​e estão aumentando marginalmente ".

Um dos maiores desafios da De Beer, no entanto, é gerir choques globais. "O mundo é tão volátil", disse Lussier. "Não há dúvida de que a volatilidade afeta a confiança e os gastos discricionários".

Para combater esse obstáculo, a empresa está intensificando seu mercado este ano e continuará a empurrar para segmentar casais, milênios e mulheres solteiras, o que representa uma nova oportunidade de crescimento, disse ele.

A De Beers vendeu US $ 1,86 bilhão em suas primeiras três vendas de 2017, incluindo uma oferta de US$ 720 milhões em janeiro, a maior em pelo menos um ano. A Alrosa PJSC, a segunda maior mineradora, aumentou as vendas no primeiro trimestre em 17%, para 12,1 milhões de quilates. Com informações da agência Bloomberg.

Dúvidas ou sugestões
Estamos a disposição, caso tenha alguma dúvida ou sugestão, sinta se a vontade em entrar em contato conosco através dos contatos abaixo:
Fone: (61) 35477645
E-mail: abpm@abpm.net.br